Menu
joão pessoa notícias: notícias da paraíba e Brasil mundo entretenimento política e muito mais
Para ouvir nossa rádio, baixe o aplicativo RadiosNet para celulares e tablets com Android ou iPhone/iPads.

Estudante da UFPB expõe racismo estrutural em documentário

27 NOV 2019
27 de Novembro de 2019
Por:Redação/joaopessoanoticia.com/Murilo/Ascom UFPB

A radialista e mestranda em Comunicação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Carine Fiúza expõe o racismo estrutural da sociedade brasileira no documentário Odò Pupa, Lugar de Resistência (2018).


O curta-metragem será exibido na Mostra Paraíba, feminina! Mulheres com câmera na mão!, no dia 4 de dezembro, dentro da programação do 14º Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro.


No filme, a cineasta apresenta seu ponto de vista sobre a estruturação do racismo na formação política, social e cultural do Brasil, a partir das histórias de dois jovens negros que, na contramão das estatísticas e dos estereótipos, travam batalhas diárias pela sua sobrevivência marcada por experiências institucionais, históricas, culturais e interpessoais racistas.


“Odò Pupa, em yorubá, idioma da família linguística nígero-congolesa, significa Rio Vermelho, bairro soteropolitano no qual a história se desenrola”, explica Carine Fiúza.


Ao partir de uma visão pontual para abordar um tema mais amplo, o documentário correlaciona dados estatísticos à história de vida dos dois jovens negros. Como exemplo, Carine destaca, no curta, que até 2016, o número de mulheres negras dirigindo filmes não chegava a 1% do total.


Além da discriminação racial, o documentário mostra as dificuldades de acesso à educação e emprego, por exemplo, além de explicitar a violência contra os negros, lançando um olhar sobre os motivos pelos quais estão morrendo.


Conforme mostra o filme, em pesquisa realizada em mais de 500 empresas brasileiras, verificou-se que negros ocupam apenas 6% dos cargos de gerência e menos de 5% de direção ou presidência.


Para o produtor-executivo do Fest Aruanda e professor da UFPB Lúcio Vilar, Odò Pupa, Lugar de Resistência é um documentário necessário, com um tema que está na ordem do dia.


“Além do assunto, que é muito pertinente a este momento, tem uma estética diferenciada, uma narrativa que chama atenção, por isso que gerou esse reconhecimento”, avalia.


Além da direção, Carine é responsável pelo roteiro e produção. Ela, além de ter sido selecionada recentemente para o curso de mestrado do Programa de Pós-graduação em Comunicação da UFPB, faz parte da União de Mulheres do Audiovisual Paraibano (UMA-PB) e da Associação de Profissionais Negros do Audiovisual (APAN).


A Mostra Paraíba, feminina! Mulheres com câmera na mão! será composta de filmes feitos por mulheres paraibanas e terá início às 14h, na sala 2 do Cinépolis, no Manaíra Shopping, em João Pessoa. O Fest Aruanda começa nesta quinta (28) e segue até o dia 5 de dezembro.


Confira, abaixo, a ficha técnica do documentário Odò pupa, lugar de resistência:


Sinopse: A fala, a imagem e as estatísticas tudo comunica, mas pra quem se vocês dão as costas para os motivos pelos quais nossos filhos estão morrendo? Odò Pupa, rio vermelho que flui para Atlântico e testemunha nossa diáspora.


Gênero: Documentário


Duração: 13’45”


Cor: Colorido


Estado: BA


Direção, roteiro e produção: Carine Fiúza


Direção de fotografia: Marcelo Quixaba


Montagem: Sérgio Ferro e Carine Fiúza


Mixagem de som: Bruno Alves


Finalização: Fábio Lima


Música: Andar com fé (Rincon Sapiência)


Design: Thiago Costa e Marcelo Rodrigues


Mostras e festivais de que participou: Canal Futura, 2018/2019; TV Globo, 2019; 3º Mostra do audiovisual negro – SP/2018; Mostra lugar de mulher é no cinema – BA/ 2019; II Festival Mimoso de Cinema – BA/2019; 4º Egbé Mostra de cinema negro – SE/2019; V Cine Jardim (Melhor filme – júri popular / Melhor direção – Júri Oficial); Encontro Cinema Negro Zozimo Bulbul 2019; Mostra SESC de culturas – Cariri 2019; 3º Mostra do filme Marginal 2019; 2ª Mostra Negritude Infinita; II Mostra Itinerante de Cinemas Negros – Mahomed Bamba; III Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio.

Voltar
Tenha também o seu site. É grátis!